Next article Return to overview
Dessalinização de água salobre e água do mar

Dessalinização de água salobre e água do mar

A diminuição da água potável em todo o mundo é o maior problema de hoje. Apenas 0,03% da água existente está disponível como água para consumo humano. Para muitos países, a solução para este problema é a dessalinização da água salobre ou água do mar através do sistema de Osmose Reversa.

A tecnologia para realizar a dessalinização tem se tornado bastante sofisticada sendo viável e de grande interesse mundial, especialmente para localizações ilhadas. A ProMinent oferece aos seus clientes esta tecnologia, incluindo o pré e subseqüente tratamento necessário, todos provindos de uma só fonte. Nossos especialistas em água potável desenvolvem a melhor combinação de processos com os melhores componentes para sua aplicação.

A tarefa central, quando nos referimos a dessalinização de água salobre e água do mar, é uma redução considerável do sal contido. Mais de 1.500 a 2.000 mg/l de sal contido faz com que a água tenha gosto salgado e desagradável. Essa água também não é apropriada para uso higiênico pessoal ou para regar plantas. O típico sal contido na água salobre é de 2.000 a 10.000 mg/l e na água do mar é de 35.000 mg/l. Os padrões WHO recomendam 500 mg/l para água potável, ou seja, deve haver uma redução do sal contido de 75% a 99%, dependendo da água bruta. 

Isso pode ser facilmente realizado com o equipamento de Osmose Reversa, utilizando a membrana apropriada. Os requisitos desse equipamento são:

  • Redução apropriada no sal contido;
  • Prevenção dos depósitos químicos e biológicos na membrana;
  • Máxima exploração, ou seja, mínimo desperdício;
  • Redução do consumo de energia, ou seja, baixos custos de operação;
  • Vida útil contínua e fácil operação;
  • Garantia de higiene e potabilidade da água produzida. 

Procedimento

  • Seleção e projeção do equipamento correto com base nos testes prévios de água, com o auxílio de um moderno software e anos de experiência em projetos;
  • Seleção de um processo de pré-tratamento apropriado: dependendo da origem da água bruta (por exemplo, mar aberto), diferentes métodos são necessários. Caso contrário, substâncias orgânicas, inorgânicas e biológicas serão depositadas nas membranas, reduzindo consideravelmente a performance do equipamento. São consideradas substâncias típicas desse problema: óleo, substâncias humine, Fe/Mn, CaCO3, SiO2, algas,/bactérias etc. Como regra, estas são removidas ou estabilizadas através de uma combinação de oxidação/desinfecção, floculação, sedimentação, filtração, absorção e estabilização antes de alcançar a membrana;
  • Com a utilização ótima, nenhum depósito é deixado na membrana, e por outro lado, o consumo de água é mantido o mais baixo possível;
  • Seleção de uma bomba de impulsão por pressão com utilização máxima. Com a água do mar, uma seleção adicional de um sistema de recuperação de energia é exigido. Hoje em dia, muitos sistemas são aplicados utilizando transdutores de pressão, os quais possuem baixo consumo de energia durante a dessalinização da água do mar, por volta 3 kWh/metros cúbicos na água potável produzida;
  • Com longa vida útil, componentes de alto valor e sistemas de controle inteligente fazem o monitoramento do processo todo de modo simples para o operador;
  • Seleção de um tratamento subseqüente apropriado do equipamento de osmose reversa. Devido ao processo de osmose reversa, o valor do pH está geralmente abaixo da escala recomendada WHO de 6.5 a 8.5. O valor do pH deve ser ligeiramente aumentado por meio da dosagem do químico alcalino mais apropriado ou através da filtração que utiliza filtros de calcta e/ou dolomite. Este também protege o sistema de tubulação da corrosão. O permeado é normalmente desinfectado para que a água potável saia da torneira. Para conseguir o efeito do depósito, normalmente há uma dosagem adicional com cloro branqueador alcalino.

 

Print this page